Categoria Bullying

13 Reasons Why: sobre a diferença entre bullying e racismo

O sucesso mundial da série 13 Reasons Why da Netflix tem trazido de volta o debate sobre como o bullying pode levar os jovens a se auto-agredirem ou até se matarem. De acordo com a Organização Mundial de saúde, suicídio é a segunda cause de morte de jovens no mundo, ficando atrás apenas de acidentes de carro e na frente de perdas de vidas por conta do HIV.

 

Apesar de não ter nenhum estudo conclusivo sobre o tema, de quais seriam as principais causas, o bullying nessa era tão digital, onde além de ações em espaço físicos públicos, os agressores também usam redes sociais para atacar a vítima (cyberbullying), não podem ser ignorado.por Silvia Nascimento no Mundo Negro

Nenhum recorte de raça é feito sobre a questão do bullying que costuma ser confundido com o racismo, mas não é. Primeiro porque racismo é crime, portanto, atitudes racistas são caso de polícia, segundo porque o jovem negro pode ser vítima de pessoas que mesmo, com perfil agressivo não atacaria uma pessoa branca, quando seu alvo é escolhido apenas pela cor de pele, mesmo que a vítima seja um bom aluno, de boas condições financeiras e trânsito social.

A própria Netflix criou um site sobre o filme, onde ilustra casos de pessoas, hoje adultas que sofreram bullying na escola. Duas delas são negras: a atriz Vaneza Oliveira e o jornalista Bruno Rocha, o Hugo Gloss. Mas vale uma atenção especial para a atriz do seriado.

No meu entendimento racismo é uma coisa e bullying é outra.

Fonte: Site Galedes

Bate-Papo sobre O Diário de Davi – Silvano Sulzart.

O livro O Diário de Davi: preconceito racial, homofobia e bullying na escola – discute as múltiplas diferenças que nos constituem, e a diversidade presente no universo escolar, através da história de um garoto de 12 anos, negro, que está acima do peso, e constantemente sofre bullying na escola.

O livro é uma história literária, infanto-juvenil. Em seu diário, Davi narra as suas angústias, o dia a dia da escola, sua amizade com João, um aluno cadeirante e Telton Fradf, que sofre bullying homofóbico.

A escola é o cenário desta história emocionante, em que professores, alunos e pais, se mobilizam para combater o bullying.

O livro, O Diário de Davi, além de uma história envolvente e emocionante, o leitor vai ser conduzido a um processo de não invisibilizar as violências verbais, físicas e simbólicas que podem acontecer na escola. O livro é para adolescentes, para pais, professores, pedagogos e psicólogos que trabalham com crianças e adolescentes.

O autor Silvano Sulzart, é pedagogo, psicopedagogo, Mestre em Educação e possui mais de 15 anos atuando como professor e coordenador pedagógico, escreveu o livro O Diário de Davi: preconceito racial, homofobia e bullying na Escola, inspirado em fatos reais do dia-a-dia da escola.

Você vai se apaixonar por este livro da Editora CRV.  Click aqui.

Lições importantes para vencer e superar o Bullying

Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. Davi, personagem no meu livro, O Diário de Davi, aprendeu a vencer e superar o bullying. Sua coragem em denunciar os agressores, e a amizade com Telton Fradf e João foram importantes. Nunca pense que você esta sozinho.

Uma criança e/ou adolescentes vitimas de bullying podem apresentar:

  • Dificuldade de relacionamentos na escola e em casa;
  • Dificuldade de aprendizagem e concentração;
  • Tensão muscular, ansiedade, depressão;
  • Anorexia e bulimia;
  • Formigamentos pelo corpo, taquicardia e insônia, frequentemente;
  • Medo de sair de casa e de multidão;
  • Medo de ir para a escola;
  • Suicídio;
  • Isolamento;
  • Ansiedade;

 

Se você esta sendo vitima de bullying, tome as seguintes decisões. Não tenha medo! Busque ajuda.

  • Busque conversar com seu pai e a sua mãe, primeiramente. Fale assim que as agressões ou insultos começarem.
  • Fale também com outras pessoas: avó, avô, tio, tia, amigos, padrinho, madrinha, e outros adultos.
  • Fale com os professores da sua escola, com os funcionários, com a coordenação, a direção da escola.
  • Não fique calado, conte o que está acontecendo: as agressões físicas, verbais. Ciberbullying e bullying homofóbico.
  • Não guarde segredos sobre o bullying. Mesmo que seja difícil, procure ajuda.
  • Evite ter amizades com quem pratica o bullying. Amizade é importante.
  • Evite conversar com o agressor, sozinho. Não revide a violência, denuncie, procure ajuda.
  • A ajuda de um adulto é importante. Procure ajuda, sempre.

 

Fonte:  O Diário de Davi:preconceito Racial, homofobia e bullying na Escola

Adquira já o seu livro:  Editora CRV