Categoria Atividades

A Caixa Mágica das Coisas: uma atividade lúdica!

Faça com sua turma e me conte depois. Você precisa de uma caixa e vários objetos para por dentro da caixa. A dinâmica consiste na curiosidade, imaginação, criatividade dos alunos e também do professor. Super fácil e educativa, lúdica e provocadora da imaginação.

O melhor de tudo, é que temos aqui,  uma atividade que pode ser feita na alfabetização, nas aulas de geografia e outras disciplinas do fundamental II, nas aulas na faculdade para iniciar alguns assuntos e temas, e em formações e palestras.

Na caixa pode existir só “coisas” com a letra A. E eles (alunlos/participantes) precisam adivinhar o que é que tem dentro. Pode ter um Avião, Alicate, Anel, Anjo, Arroz, Anta, Amendoim ( coisas de brinquedo e de verdade). Depende da temática da aula/palestra/formação. E o objetivo.

A caixa pode aparecer nas aulas de matemática, geografia, história, português etc.

No primeiro momento fazemos a atividade lúdica de adivinhar, depois vamos para o trabalho pedagógico, centrado na disciplina e nos objetivos da aula.

A educação lúdica, na sua essência, além de contribuir e influenciar na formação da criança e do adolescente, possibilitando um crescimento sadio, um enriquecimento permanente, integra-se ao mais alto espírito de uma prática democrática enquanto investe em uma produção séria do conhecimento. A sua prática exige a participação franca, criativa, livre, crítica, promovendo a interação social e tendo em vista o forte compromisso de transformação e modificação do meio (ALMEIDA, 1994, p.41).

Que tal trabalhar a caixa como ditado? A caixa e a história dos objetos? A caixa e a produção de textos? A caixa e o valor/preço das coisas???? A caixa e o que utiliza-se em X profissão? E se um dia, um aluno montar a caixinha e trazer para a sala para os colegas adivinharem os seus objetivos?? O professor pode desafia a turma. A cada semana um aluno faz sua caixinha. E para facilitar tem que ter  objetivo.  Use sua criatividade e vamos lá!!!

Jogo Baleia Azul? O que é mesmo? Um ‘fake news’.

Jogo Baleia Azul? O que é mesmo? Um ‘fake news’.Vamos Jogar?


O jogo da ‘Baleia Azul‘, é um jogo que propõe 50 desafios aos jogadores, em sua maioria adolescentes, nasceu na Rússia como ‘fake news’, mas existe um efeito que sendo verdadeira ou não, a notícia gera um contágio, principalmente entre os jovens, afirmou  Tavares da Safernet ao G1. Um jogo falso, uma noticia falsa, que vai ganhando repercussão. Uma mentira que vai viralizando, chegando ao ponto de tornar-se verdade.

Todo Jovem e adolescente adora desafios. A alma e o espírito dos jovens, aspiram desafios e novidades. E com as novas tecnologias e as redes sociais, tudo viraliza e ninguém quer ficar de fora. O Facebook tornou-se uma rede que viraliza as informações. É justamente, neste ponto que esta moda vira algo perigoso.

O jogo da ‘Baleia Azul‘ é um jogo de desafios, propõe 50 desafios. E um deles, pasmem sugere o suicídio como última etapa. O jovem e adolescente fica envolvido, com musicas e orientações. Vai sendo induzido a jogar, a participar, a passar por cada desafio, a enfrentar cada dificuldade. Vai criando expectativa e entusiasmo. Vai se envolvendo letamente. Se sentindo seguro e confiante para ir além.

Alguém, com intenções desumanas, aproveitou a onda de mentiras de um jogo que não existia, deu vida e forma ao jogo de qualquer maneira. Criou regras e desafios. E hoje já existem várias versões do Jogo em diferentes países do Mundo.

Segundo o Site G1, há investigações policiais pelo menos três estados, sendo que em uma delas, em Mato Grosso, há uma morte envolvida. No Rio de Janeiro, uma tentativa de suicídio supostamente teria relação com o jogo. Na Paraíba, a polícia já apura a participação de alunos de uma escola em João Pessoa de um grupo no WhatsApp disseminando as regras do desafio.

Então vou propor a Baleia Azul do Bem, positiva, para a vida, para o amor, para a paz  !

Faça a sua vida valer a pena. Ame de verdade. Faça o bem. Siga as regras e os jogos para viver e sonhar.

  • Então vou propor o Jogo da Baleia Azul do Bem, para o amor, para os valores humanos e para a paz ! E ai vamos Jogar? E quais seriam os 50 desafios deste Jogo?

5 Sugestões de Atividades/Dinâmicas:

5 Sugestões de Atividades/Dinâmicas para se trabalhar o Bullying na Escola


Falar de Bullying virou moda na escola,  matéria de capa das revistas e documentário das emissoras de TV, agora vamos para a prática!

Escrevi um livro sobre Bullying que acho muito bom.

O Livro ” O Diário de Davi” é um livro para crianças e adolescente . O livro O Diário de Davi: preconceito racial, homofobia e bullying na escola, é um texto literário, escrito pelo professor Silvano Sulzart. Temáticas como: homofobia, ciberbullying, preconeito racial e outras questões aparecem na trama. Davi, em uma narrativa envolvente e singela, conta suas dores e dilemas que vive na escola. A história revelará como a amizade vence o medo, e a ternura e o perdão fazem brotar esperança, sonhos e novas relaçõesm no espaço escolar. Através da leitura deste livro, você será capaz de identificar se seus filhos ou alunos estão sendo vítimas de bullying, homofobia na escola e encontrará ainda pistas de como combater o bullying, dentro e fora do espaço escolar.

Para adquirir o livro:  Click Aqui !

 

Já li muita coisa sobre Bullying estes dias. Quero propor aqui algumas atividades  para serem  realizadas em sala de aula ou com a própria escola.

É importante que se explique para os alunos o que é Bullying, acredito que a essa altura do campeonato todo mundo já saiba, mas quanto mais informação melhor. O que fazer para que todos compreendam e vejam o Bullying com outros olhares? Como desenvolver atividades pedagógicas significativas dentro da sala de aula?  Outra questão que considero importante é que falar de Bullying, discutir questões ligadas a Violência no Ambiente Escolar  não deve ser um momento isolado, ou quando  a mídia começa a focar o assunto. Bullying e Violência na Escola devem ser um tema para ser discutido o tempo todo:   com a família, com os professores e principalmente com os alunos. As atividades abaixo proporcionam a reflexão do tema de forma lúdica e inteligente.

1 – Dramatização

Utilize o teatro em sala de aula. Divida os alunos em grupos e motive os grupos a criarem uma dramatização sobre Bullying e Violência Escolar. Direcione os trabalhos para que as turmas criem duas versões, uma positiva e outra negativa. A cada apresentação, convide a turma a discutir sobre a apresentação, analisando os personagens e o contexto da dramatização.

2- Teatro de Fantoche

Utilizando os Bonecos de Fantoches, que podem ser confeccionados pela própria turma em uma aula de artes. Incentive a turma a através dos fantoches criarem histórias de BUllying. Direcione os trabalhos para que as turmas criem duas versão, uma positiva e outra negativa. A cada apresentação, convide a turma a discutir sobre a apresentação, analisando os personagens e o contexto  da apresentação.

3- Paródia

Paródia é uma imitação cômica de uma obra literária. Após falar sobre Bullying, discutir as causas, quem é a vitima, o agressor e outras questões teóricas importantes. Divida a turma em grupos, e incentive cada grupo escolher uma música e criarem uma parodia contra o Bullying. Para finalizar a atividade, poderá ser criado um concurso de paródias e coreografias contra o Bullying na própria turma ou na escola.

4- Júri Simulado

Explique a turma o que é um julgamento, como ocorre e quem compõe uma audiência de julgamento publico. Uma excelente atividade para discutir a Violência no Contexto Escolar e o Bullying. Segue a explicação da dinâmica Júri Simulado
Objetivos:
1- Estudar e debater um tema, levando todos os participantes do grupo se envolverem e tomar uma posição.
2- Exercitar a expressão e o raciocínio.
3- Desenvolver o senso crítico:
Participantes: (Funções)
Juiz: Dirige e coordena o andamento do júri.
Advogado de acusação: Formula as acusações contra o réu ou ré.
Advogado de defesa: Defende o réu ou ré e responde às acusações formuladas
pelo advogado de acusação.

Testemunhas: Falam a favor ou contra o réu ou ré, de acordo com o que tiver sido combinado, pondo em evidência as contradições e enfatizando os argumentos fundamentais.
Corpo de Jurados: Ouve todo o processo e a seguir vota: Culpado ou inocente, definindo a pena. A quantidade do corpo de jurados deve ser constituído por número impar:(3, 5 ou 7)
Público: Dividido em dois grupos da defesa e da acusação, ajudam seus advogados a prepararem os argumentos para acusação ou defesa. Durante o juri, acompanham em silêncio.

Passos:

1-Coordenador apresenta o assunto e a questão a ser trabalhada.

2- Orientação para os participantes.
3- Preparação para o júri.
4- Juiz abre a sessão.
5- Advogado de acusação (promotor) acusa o réu ou ré (a questão em pauta).
6- Advogado de defesa, defende o réu ou a ré.
7- Advogado de acusação toma a palavra e continua a acusação.
8- Intervenção de testemunhas, uma de acusação.
9- Advogado de defesa, retoma a defesa.
10- Intervenção da testemunha de defesa.
11- Jurados decidem a sentença, junto com o juiz.
12- O público, avalia o debate entre os advogados, destacando o que foi bom, o que faltou.
13- Leitura e justificativa da sentença pelo juiz.

5- Elaborando uma Reportagem

A pauta: o roteiro da reportagem

Pensar e elaborar uma boa pauta é o começo de qualquer boa reportagem jornalística. Ela é o guia, o roteiro, o briefing que vai orientar o repórter em seu trabalho. A pauta é a solicitação, por parte do pauteiro, do trabalho que ele deseja que o repórter execute.Costumo dizer aos meus alunos que quando o trabalho de apuração da informação é feito por apenas uma pessoa, e não há as figuras do pauteiro, do repórter, do editor etc., mas todo trabalho é feito por apenas uma pessoa, ao em vez de pauta, podemos falar em um roteiro pessoal para o trabalho de reportagem.

Ao contrário do que se pensa, deve haver um cuidado muito grande na hora de preparar a pauta ou o roteiro de reportagem. Além de pensar bem o que se quer dizer no texto e a maneira como se quer falar, é preciso criatividade e estar bem informado sobre o assunto que se quer escrever.Além disso, vale lembrar que a pauta ou o roteiro não devem ser uma camisa de força. Se, por um lado, o repórter deve segui-los com precisão, por outro, em alguns momentos, deve abandonar sua rigidez e apostar na sua sensibilidade, no seu ‘faro’. Enfim, na hora de elaborar a pauta ou o roteiro da reportagem:

  1. Deixe claro, no início da pauta, a retranca, ou seja, o assunto de que deverá tratar a reportagem.
  1. Pesquise sobre o assunto: anote dados que você acha relevantes e que já estão disponíveis em algum lugar. Hoje em dia, além dos jornais, a internet e sites de busca como o Google e o Yahoo são boas fontes para essa primeira etapa do trabalho;
  1. Em seguida, aponte os elementos a serem problematizados. Esclareça para o repórter – no caso de estar elaborando uma pauta – ou para você mesmo – em se tratando de um roteiro –, o que a matéria vai acrescentar às informações já disponíveis;
  1. A seguir, indique fontes a serem ouvidas, ou seja; as pessoas que podem ser entrevistadas sobre o assunto. Sugira as possíveis perguntas a serem feitas pelo repórter e, por fim, anote nomes e, na medida do possível, e-mails e telefones das fontes. Neste ponto, lembre-se que nem sempre apenas as autoridades são ouvidas. Sugira também entrevistas com pessoas do povo, e aí nem sempre você precisa citar nomes;
  1. Se você dispuser de equipamento fotográfico, não deixe de sugerir ou roteirizar fotos e imagens que devem, junto com o texto, ilustrar o trabalho;
  1. No final, indique o número de laudas que o repórter tem para escrever. Isso é importante, pois é uma forma de garantir que não vai faltar nem sobrar texto. Uma lauda, para quem ainda não tem familiaridade com a linguagem jornalística, corresponde a um conjunto de 1400 (mil e quatrocentos) caracteres contados os espaços. Uma matéria jornalística de um tamanho razoável tem, em média, duas laudas.

Com as dicas acima, a sua pauta ou roteiro estão prontos e o seu repórter ou você estará mais habilitado a fazer o trabalho de campo: a reportagem. Veja no exemplo de pauta a seguir como podem ficar os seis tópicos de que falamos acima e depois tente elaborar a sua pauta. Sucesso!

Fontes:

http://www.escoladominical.net/forum/viewtopic.php?f=2&t=888

http://www.jornaljovem.com.br/edicao4/editorial_dicas01.php

http://revistaescola.abril.com.br/

Plano de Aula Sobre Bullying: Atividade Interdisciplinar – O Diário de Davi

Este livro esta muito bom. Livro para crianças e adolescente que aborda a temática do bullying de forma leve e emocionante. O livro O Diário de Davi: preconceito racial, homofobia e bullying na escola, é um texto literário, escrito pelo professor Silvano Sulzart. Temáticas como: homofobia, ciberbullying, preconeito racial e outras questões aparecem na trama. Davi, em uma narrativa envolvente e singela, conta suas dores e dilemas que vive na escola. A história revelará como a amizade vence o medo, e a ternura e o perdão fazem brotar esperança, sonhos e novas relaçõesm no espaço escolar. Através da leitura deste livro, você será capaz de identificar se seus filhos ou alunos estão sendo vítimas de bullying, homofobia na escola e encontrará ainda pistas de como combater o bullying, dentro e fora do espaço escolar.

Click para comprar Editora CRV

A Violência no contexto escolar tem sido discutida de muitas formas. Percebemos que a cada dia os casos de agressões verbais e físicas têm aumentado gradativamente na escola. O que fazer? Como discutir com os alunos certas questões? Quais atividades podem facilitar a reflexão sobre a violência escolar? Falar teoricamente o que é Bullying é importante, porém melhor do que a teoria é proporcionar a reflexão sobre a realidade.  Quero propor neste espaço 10 sugestões simples de planos de aulas/ atividades para promover a discussão sobre o Bullying e a Violência no Espaço Escolar.

Disciplina: Atividade Interdisciplinar
Objetivo: Promover a discussões, reflexões e a escuta sobre a Violência no Espaço Escolar. Discutir possíveis possibilidades de ações contra o bullying incentivando a troca de experiências e o diálogo.
Metodologia:
Leitura e Discussão do Texto: O Diário de Davi Satil: Uma vítima de Bullying
Veja o texto neste link Click Aqui !
Questões, que podem ser discutidas após a leitura do texto com a turma.
  1. Na escola, fazemos amigos, brincamos, estudamos e criamos laços afetivos. O que a escola representa para você?
  2. O que Davi sentia ao ir para a escola? Explique os motivos que estavam contribuindo para que ele desejasse mudar de escola?
  3. Que tipo de Violência acontecia com Davi? Você já passou por situações semelhantes? Quais?
  4. Qual a importância do diálogo entre pais x filhos, alunos x professores?
  5. Em grupo elabore sugestões para ajudar Davi a superar o Bullying, baseado nos sentimentos e questões que ele escreveu em seu diário.
  6. Como a professora poderia ajudar Davi? Elabore junto com seus colegas uma resposta no lugar da professora.
Outras Sugestões:
Produção de Textos: Após a leitura do texto,  incentive a turma a produzir um texto em forma de diário relatando alguma vivência sobre violência no Espaço Escolar. Eles podem narrar senas do cotidiano da escola, além de também poderem expressar seus sentimentos e opiniões.
Divida a turma em grupos e solicite uma dramatização,  propondo uma sugestão contra o Bullyng. Poste um comentário abaixo, sugerindo outras atividades a partir deste texto. Se desejar elabore perguntas com seus alunos sobre bullying e envie para mim que terei  prazer em respondê-las.
Leia outras dicas de atividades sobre Bullying no meu Blog :   Click Aqui !